polvo azul

1457d10447367d6

Depois de 10 anos de interregno, voltei não para falar de educação mas sim defender o clube do meu coração que foi vilmente atacado, começando por publicar o teor da denúncia anónima que foi apresentada a diversas entidades, que visa o FCP e o SCP e que está a circular nas redes sociais:

“O que vimos denunciar é de enorme gravidade.
E fazemo-la de forma anónima, em defesa da nossa integridade física e por receio de represálias, tendo em conta o nível de ligações, inclusive ao setor da Justiça e da própria Policia Judiciária na estrutura informal criada.
A ESTRUTURA
Desde de Abril de 2017 que um grupo restrito de responsáveis do Futebol Clube do Porto se reúne semanalmente numa sala do Hotel AC Hotel Porto Marriot, em prol da concretização de um plano que visava destruir a hegemonia do SLB e criar uma rede que desse corpo a essa estratégia na justiça, nas forças policiais e nos media.
O surgimento desse projeto surgiu quando foi concretizada a possível compra da correspondência privada do SLB, os famosos emails, que foram entregues em três momentos distintos.
Denunciamos que dessa estrutura base fazem parte Adelino Caldeira (Administrador do FCP), Luís Gonçalves (Diretor Geral do FCP), Manuel Tavares (Diretor Geral do FCP Media), Francisco José Marques (Diretor de Comunicação do FCP), contando para a concretização da sua estratégia com os contributos do Juiz Conselheiro do STJ, José Manuel Matos Fernandes (Presidente da mesa da assembleia Geral do FCP) e os agentes da Polícia Judiciária do Porto, Monteiro Ferreira, Barba Rocha, Duarte Vaz e Faustino com um longo passado de colaboração com o clube.
Mais tarde para as redes digitais e montando os blogues que clandestinamente divulgavam os emails roubados ao SLB, a coordenação foi feita por um Grupo que integra o deputado Tiago Barbosa Ribeiro, Pedro Bragança (Baluarte dos Dragões) e Diogo Faria que utilizaram a sua rede de colaboradores para massificar essa informação. Quem também colaborou nessa estratégia digital foi a equipa liderada por Ricardo Pereira da empresa eComOn, curiosamente a empresa que gere plataformas do FCP e que está sediada em Lisboa.
Consolidada a estratégia, para reforço da sua promoção, comunicação e divulgação foi feita também a famosa reunião do Altis em Lisboa que juntou da parte da comunicação do FCP, Manuel Tavares e Francisco José Marques e da parte do SCP, o seu diretor de comunicação, Nuno Saraiva.
Nessa reunião foi partilhada a existência da vasta informação da correspondência privada do SLB e definiram-se timings, tendo ficado também definido que através das estruturas informais do SCP, existiria partilha de informação para criação de blogues, que também difundissem essa informação e que existisse cooperação de esforços para a concretização da estratégia de comunicação.
Da parte do SCP, toda a equipa das redes digitais seria liderada por João Duarte da empresa Youngnetwork, que gere diversos blogues associados à direção de Bruno de Carvalho e presta serviços para as diferentes plataformas de comunicação do SCP. Aliás é nesta empresa que trabalham os bloguers que têm criado os diversos domínios que têm difundido os emails roubados do SLB.
ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO
A estratégia de comunicação definida passou por diferentes fases e foi-se adaptando conforme as circunstâncias.
Mas ficou decidido que seria Francisco José Marques no Porto Canal a ser o ponta de lança e porta voz das denúncias, de forma a que passa-se nos media, existindo sempre pronto acompanhamento de reações por parte do diretor de comunicação do SCP. Analisados os dados e tendo em conta a colaboração da própria equipa da PJ, através dos nomes atrás identificados, foi decidido que:
a) Manuel Tavares pelo elevado conhecimento e alguma predominância sobre a direção e os jornalistas de alguns órgãos de comunicação social ficaria com a ligação e articulação com o Jornal de Notícias, Jogo, RTP Porto e rede de comentadores do clube nas Televisões.
b) Que Nuno Saraiva, pelo nível de envolvimento com o sub diretor do expresso, Nicolau Santos, mas sobretudo pelo controlo e ligação entre Bruno de Carvalho e o jornalista Pedro Candeias, procuraria alimentar aquele jornal de enorme importância para quebrar a ideia de que só com o JN e Jogo seria mais uma história do Porto.
Posteriormente e com o desenvolvimento de todo o processo, esta estratégia reforçou-se, ainda mais quando responsáveis do FCP se gabavam que na equipa que na PJ de Lisboa coordenavam as investigações aos diversos casos sobre o SLB, estava um fervoroso adepto do FCP, que lhes garantia que tudo seria feito para se criar a ideia de que existia uma estratégia de domínio do SLB do futebol português e que estaria disponível para passar informação a um ou dois jornalistas de confiança.
Foi neste quadro que surgiu a ligação ao jornalista, também ele adepto assumido do FCP, da Revista Sábado, Carlos Rodrigues Lima, aparentemente insuspeito por ser um jornalista especializado e reconhecido pela sua ligação à área da justiça e que se tornou no eixo central de toda a informação que era passada para o grupo Cofina.
Ao mesmo tempo, reforçou-se a informação transmitida ao jornalista Pedro Candeias do Expresso, que passou a receber informação de uma pretensa fonte da Polícia Judiciária que se assumiu desde o primeiro momento como fazendo parte da equipa central de investigação em Lisboa — o tal elemento com ligações ao FCP, atrás referido – e que deu origem às sucessivas notícias que o Expresso tem publicado (sempre citando fontes da PJ) que fala de toupeiras do SLB no Ministério Público e que dá, pela primeira vez, voz à tese de que existia uma estratégia do SLB para dominar o futebol português.
Apesar de ter inicialmente suscitado duvidas ao FCP, porque tinham informação de que Pedro Candeias seria simpatizante do SLB, rapidamente o diretor de comunicação do SCP tranquilizou garantindo que tinha absoluto domínio sobre o seu trabalho e que ele tinha um ódio de estimação ao presidente do Benfica e uma forte ligação pessoal a Bruno de Carvalho.
AS MAIS RECENTES EVIDÊNCIAS
Mas a enorme gravidade de tudo o que até agora relatámos aumenta, quando se prova a forte influência que o FCP tem tido sobre diversas decisões difíceis de compreender por parte de responsáveis da Justiça no território do Porto e do Norte, como se demonstra nas seguintes recentes decisões:
a) Decisão do Tribunal de Guimarães e do representante do Ministério Público no processo que envolve e liga Pinto da Costa e Antero Henriques à empresa de segurança SPDE no processo Fénix, inclusive objeto de recurso por parte do DCIAP e que vai custar um processo disciplinar ao próprio representante do Ministério Público;
b) Decisão do juiz de primeira instancia, Fernando Cabanelas sobre a Providência Cautelar apresentada pelo SLB, assumindo o juiz neste caso ser adepto do FCP. Decisão posteriormente revogada por unanimidade por parte do coletivo de juízes desembargadores do Tribunal da Relação do Porto;
c) A forma como quando 4 dos 5 jogadores do Rio Ave foram chamados pela PJ do Porto para serem ouvidos no âmbito do caso da eventual combinação de resultados, à frente de todos, um dos agentes deu ordem para o quinto elemento, o jogador RAFA se retirar comentando “Epá este gajo é nosso. É emprestado pelo Porto. Podes ir embora.” Tendo sido afastado do processo, sugerindo que questionem qualquer dos outros jogadores que confirmam este episódio.
d) As constantes fugas de informação sofre o caso dos emails ( só no processo em que o SLB é acusado), vouchers e a forma como surgiu na comunicação social as suspeitas sobre o pretensos jogos comprados com envolvimento do SLB;
e) As constantes fugas de informação para o jornalista da Sábado que sabia dos timings em que os emails iam ser divulgados nas redes digitais e produzia de imediato notícias deles, gabando-se inclusive junto dos seus amigos portistas no seu facebook pessoal, antes mesmo de fazer as notícias;
f) O mesmo jornalista que em plena redação disse alto e bom som que a PJ estava a chegar à luz e a casa do presidente do SLB, quando das últimas buscas em torno do caso que envolve o juiz Rui Rangel, regozijando-se que “é desta que o apanhamos”;
g) As fugas de informação passadas para o Jornal de Notícias e jornal Record sobre os hipotéticos jogos comprados e que foram dadas de forma tão leviana que quiseram fazer ligação com o jogo Rio Ave-Benfica da época de 2014/2015 , não reparando que um desses jogadores estava numa equipa francesa nessa altura e um segundo não tinha jogado por estar castigado;
h) As fugas passadas ao jornal Expresso de quem se não se eximia de se assumir como fonte da Polícia Judiciária e sempre de teor negativo para o SLB;
A DECISÃO SOBRE O PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO AO SLB
Para piorar todo este conjunto de factos e situações que merecem ser investigados com todo o rigor, denunciamos que, desde há duas semanas, que o núcleo restrito do FCP atrás referenciado, garante e gaba-se em reuniões internas da administração do FCP e em contactos com jornalistas que têm a garantia de que o processo da PJ que concentrou vouchers, emails e jogos comprados que envolve o SLB, concluirá por uma acusação conforme os seus desejos, apesar de reconhecerem que era difícil provar algum crime de corrupção ou tráfico de influência em concreto.
Afirmam, de acordo até com aquilo que foi passado ao Expresso, de que tinham a garantia do tal elemento da equipa da PJ que seria adoptado no relatório final a tese de que existia uma estratégia por parte do SLB para controlar diversos e fundamentais setores do futebol português, e que tal seria provado, não por evidencias concretas, mas através da montagem de uma espécie de puzzle com base em diferentes emails, interpretando que tudo obedecia a essa orientação e que seria suficiente para defender junto do Ministério Público, que existiam indícios de corrupção e tráfico de influência desportiva.
Como prova desta tese surge a fonte da Polícia Judiciária que transmitiu ao jornal Expresso esta tese.
A mais recente noticia comentada nesse grupo, foi que o tal elemento da equipa de Lisboa da PJ teria sossegado os seus colegas atrás citados do Porto, que iriam desvalorizar a solicitação do empresário César Boaventura para ser ouvido, e também sobre as acusações que ele diretamente começou a fazer sobre jogos da mala e nomes da rede de influência que o FCP tem activa neste momento.
E que também as eventuais suspeitas sobre o recente jogo Estoril – FCP seriam desvalorizadas.
Tendo inclusive realçado que, para desviar as atenções, teria sido dada aquela história de que a PJ não descartava a hipótese de uma toupeira interna do SLB no caso dos emails roubados, ao Pedro Candeias do Expresso, apesar de quem está com esse processo ser daqueles que não gosta de falar sobre os processos que tem em mão.
CONCLUSÃO
Todos os factos aqui denunciados podem ser facilmente confirmados. O nível de relações promiscuas e de controle de alguns setores e quadros da justiça por parte do FCP a Norte, comprova-se pelo escândalo como o representante do Ministério Público e o Tribunal de Guimarães omitindo factos provados, arquivaram aquele processo, numa decisão sobre a qual o próprio DCIAP quer recorrer, quer pela decisão do Juiz que chumbou a providencia cautelar do SLB sobre a divulgação dos emails.
Toda a gente no Porto sabe quem são os representantes da justiça que costumam frequentar os camarotes do estádio do dragão, pertencem aos seus órgãos sociais e têm um longo historial de decisões que ultrapassam qualquer lógica sempre que está em causa os interesses de Pinto da Costa e dos dirigentes do FCP.
No que se refere à Polícia Judiciária, basta ver a quem, de que forma e qual o sentido de todas as fugas de informação sobre o processo dos emails e quem que são as fontes das notícias assumidas como exclusivas sobretudo para o Expresso, Jornal de Notícias e revista Sábado.
Finalmente, a necessidade de se analisar com rigor, o despudor com que responsáveis do FCP comentam e se gabam de viva voz de controlarem o processo de queixas que está a ser investigado sobre o SLB e informam com antecedência das fugas de informação os seus canais nos media e articulam até essas fugas.
Todos estes factos pela sua gravidade merecem uma investigação independente e rigorosa porque é a imagem de credibilidade e rigor das instâncias judiciais que está em causa, sendo preocupante que elementos da administração do FCP com total despudor inclusive passem para dirigentes do SCP que têm tudo sob control.
Desta denuncia daremos conhecimento a diversas instâncias, em nome do bom nome e defesa do Estado de Direito e da credibilidade das instituições, a saber Ministra da Justiça, Secretário de Estado da Juventude e Desporto, Procuradora Geral da República, Diretor do DCIAP, Diretor Nacional da Polícia Judiciária, Presidente da Federação Portuguesa de Futebol e Presidente da Liga Portugal.
Porto, 23 de fevereiro de 2018″

Anúncios

Analfabeto, eu me confesso

Numa Sociedade letrada, quando se referem a mim, referem-se a alguém que vive num meio urbano, escolarizado que não tem o domínio da palavra escrita, que pertence a um grupo social muito homogéneo, grupo esse que é composto por trabalhadores pouco qualificados, com uma história mal sucedida no seu percurso escolar.

A caracterização que me é dada, é de analfabeto, devido à minha incapacidade de utilizar correctamente escrita para me expressar.

Apesar dos conhecimentos acumulados devido ao acesso à informação global, que faz com que eu crie as minhas regras no sistema de escrita, para os “doutores” não deixo de ser um analfabeto.

È obvio que, numa sociedade carregada de intelectuais, dificilmente se encontram gente completamente analfabeta, apesar de mesmo assim estarmos em desvantagem como consumidores da palavra escrita.

O mundo letrado, define os graus de analfabetismo usando a sua capacidade de reflexão sobre o contexto que lhe interessa no seu relacionamento intelectual, utilizando o pensamento dominante letrado e urbano, marcado pelo sentido de superioridade, relativamente aqueles que se pretende dominar intelectualmente

Olá cambada

O substrato deste Blog , só tem a ver com o facto de soar bem, ou seja, eu nem sei o quer dizer substrato, mas não interessa: soa bem!
Confesso que odeio determinadas expressões utilizadas por essa cambada de intelectuais, que só servem, para que os outros as escutem sem compreender o sentido, mas aprovem o bem que soa.
Não posso negar que a minha condição de analfa beto seja o motivo para que a minha manifesta falta de concordância relativamente a massa critica do pensamento dos professores, seja muito acentuada
Por isso, como analfa beto espero contribuir para agudizar o mau relacionalmente entre os autores de Blogs prós e contras as reformas implementadas por este grande Governo!
Nasceu outro vendido ao poder, o Blog “o analfa beto”